Entendendo a blockchain

A blockchain traz uma grande revolução na maneira como lidamos com o dinheiro. Imagine um mundo no qual o dinheiro não é mais de papel, mas 100% digital. Não seria possível pegar o dinheiro e entregar a alguém fisicamente, você o enviaria da mesma forma que envia um email ou uma mensagem no WhatsApp. Mas como isso seria revolucionário se hoje em dia já existem cartões de débito e transferências bancárias que funcionam exatamente assim? Vamos explicar.

Digamos que você tenha R$ 200 em sua conta bancária e vá ao supermercado. Ao chegar no caixa, o total das compras foi de R$ 100. Você passa o seu cartão, digita a senha e o mercado recebe o pagamento. Mas como o mercado sabia que você tinha dinheiro para pagar as compras e como esse dinheiro foi enviado para ele? Nesse caso, existe uma instituição central que confere e autoriza essa transação: o banco.

Sistema centralizado. Todos dependem de uma instituição central que, por consequência, detém poder.

Nesse tipo de sistema centralizado todos precisam confiar no banco e o seu dinheiro não é realmente seu. Você talvez nunca tenha parado para pensar no quanto passa a depender do banco para fazer uso do dinheiro, mas é o banco quem realmente manda no seu dinheiro. Ignorando questões econômicas maiores, pequenos inconvenientes nos atingem diretamente: limites de valores e horários, sistemas que saem do ar etc, além do risco real de confisco do dinheiro em casos específicos.

Até pouco tempo atrás não existia uma forma de ter a conveniência dos pagamentos digitais sem os problemas de um sistema centralizado e é justamente esse o diferencial da blockchain: um sistema totalmente descentralizado, onde o dinheiro passa a ser seu o tempo todo e com uma segurança ainda maior do que no sistema bancário atual! Para essa revolução acontecer, foi preciso criar um novo dinheiro, 100% digital. A primeira moeda digital, e também a mais segura e famosa, é o Bitcoin.

O que é e para que serve a blockchain?

A blockchain funciona como um livro de registros único global, no qual estão gravadas todas as transações de bitcoins realizadas desde a criação do sistema.

Sistema descentralizado. Apenas você tem a posse do seu dinheiro, por isso é o único capaz de gerenciá-lo.

Usando o mesmo exemplo do começo do artigo, para realizar o pagamento de 0.01 BTC (um centésimo de Bitcoin) no supermercado, você usaria uma carteira virtual, que é um aplicativo no seu computador ou celular, para enviar o valor diretamente para a carteira virtual do supermercado, sem depender de nenhum sistema intermediário, assim como você faz com o dinheiro de papel: você entrega diretamente ao destinatário e ninguém precisa avaliar ou autorizar.

Essa transação, que registra que 0.01 BTC saiu da sua carteira e foi para a carteira do mercado, ficará gravada para sempre nesse livro de registros virtual. Essa é a principal função da blockchain: fazer registros públicos e imutáveis, conferindo segurança às transações de bitcoin.

Analogia da rede blockchain e seus registros validados.

Para entender como esse sistema funciona, podemos dizer que a blockchain é como uma sequência de pastas (chamados blocos) ligadas umas às outras, em cadeia. Uma nova pasta é adicionada a essa sequência a cada 10 minutos, em média, e cada pasta contém registros das transações realizadas no sistema bitcoin.

Esses registros são públicos, de forma que todas as transações já realizadas na blockchain podem ser consultadas por qualquer pessoa, assim todos os participantes sabem o saldo de todas as carteiras, tornando impossível que alguém gaste duas vezes os mesmos bitcoins ou gaste bitcoins que não possui.

A rede da desconfiança

Perceba que não há um órgão central ou instituição que gerencia essas transações, a blockchain é um sistema 100% descentralizado, baseado em consenso. Isso significa que todos os aplicativos que acessam o sistema sabem as regras e seguem o mesmo conjunto de regras. Nesse sistema, você é o seu próprio banco.

A blockchain é um sistema altamente confiável e seguro porque funciona à base de desconfiança. Nesse sistema, ninguém confia em ninguém e cada aplicativo confere o comportamento dos outros de forma independente, sem que nenhum usuário ou empresa precise controlar a rede. É essa característica que torna a blockchain tão segura, porque as transações recebem milhares de conferências e confirmações, mas mesmo que um grande grupo de participantes tente ser desonesto, o seu aplicativo pode conferir as transações e rejeitar as que tentam quebrar as regras. A rede foi projetada para identificar e ignorar os maus usuários automaticamente.

Vantagens

Algumas das características que fazem a blockchain uma tecnologia única:

  • Aberta – Qualquer um pode participar da rede através de seu computador ou celular, não há a necessidade de “pedir permissão” ou ser aprovado.
  • Pública – Qualquer pessoa pode visualizar qualquer transação que ocorreu na rede. Isso é importante para a transparência e segurança do sistema.
  • Descentralizada – Cada usuário da rede, através dos seu aplicativo, faz a manutenção das regras da rede. Não há uma instituição central que controle a blockchain, então não há como qualquer um usar a rede de forma indevida.
  • Imutável – As informações registradas na rede ficam armazenadas para sempre de forma inalterável. Como os usuários seguem as mesmas regras e checam cada transação, não há como alterar algum registro passado.
  • Resistente à censura – Por ser descentralizada, não há como censurar seu conteúdo ou impedir o acesso por parte dos usuários legítimos.
  • Código aberto – Os códigos que compõem a rede são abertos e estão disponíveis para qualquer pessoa auditar. Após muitos anos de uso, a rede continua 100% segura, sem nunca ter tido qualquer caso de hack.
  • Neutra – A blockchain é somente um conjunto de softwares que seguem um protocolo comum (um conjunto de regras). A rede não faz julgamentos quanto ao conteúdo ou mérito das transações, apenas se elas são válidas ou inválidas segundo as regras de consenso, o que se traduz em total neutralidade, ou seja: todas as transações são tratadas da mesma forma, independente de quem efetuou a transação ou o objetivo dela.

Assim como já existem diferentes moedas digitais, existem também diferentes blockchains e nem todas são idênticas. Nesse post falamos sobre a blockchain do Bitcoin, mas esses conceitos se aplicam a praticamente todas as blockchains de todas as criptomoedas.

Agora que você já entendeu sobre blockchain, o próximo passo será aprender um pouquinho mais sobre o tão falado bitcoin no nosso próximo post. Fique ligado!